PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES INTERNADOS COM DIAGNÓSTICO DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL HEMORRÁGICO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Área: Enfermagem

Jaqueline Luft
HOSPITAL REGINA

jaque.luft@hotmail.com

Jaqueline Luft
Roberta Backes Soares Koche

Introdução: O Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico (AVCH) ocorre quando há o rompimento de um vaso cerebral, geralmente por ruptura traumática ou espontânea de um vaso, formação de um aneurisma ou de malformação arteriovenosa cerebral. É mais agressivo que o Acidente Vascular Cerebral Isquêmico (AVCI), com mortalidade que chega a 50% dos casos. Objetivos: Identificar o perfil epidemiológico dos pacientes internados na Unidade de Terapia Intensiva Adulto (UTIA) com diagnóstico de AVCH de um hospital privado, caracterizar a população de pacientes, identificar as comorbidades prévias, conduta realizada em relação ao tratamento, período de internação e desfecho. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa quantitativa, descritiva, retrospectiva e com delineamento transversal, onde foram coletados os dados de 20 prontuários de pacientes internados na UTIA no período de Maio de 2014 a Maio de 2015. Resultado e discussão: Dos 20 pacientes pesquisados, 45% eram do sexo feminino e 55% do sexo masculino; com idade média de 63,5anos. Em relação às comorbidades relacionadas: 50% apresentavam hipertensão arterial sistêmica (HAS); 25% diabetes mellitus (DM); 20% AVCI prévio, entre outras doenças com menor percentual e 20% não apresentaram comorbidades prévias, sendo a média 3,4 doenças prévias por paciente. Destes pacientes: em 75% dos casos a conduta médica optou pelo tratamento conservador e 25% pelo tratamento cirúrgico. Em relação ao período de internação na UTIA, a média em dias, foi de 8,8 dias. Quanto ao desfecho dos pacientes pesquisados, 70% receberam alta para o quarto. Conclusão: Entre o número de pacientes predominou o sexo masculino; com idade média 63,5 anos entre todos eles, como comorbidades associadas à HAS foi identificada na metade dos pacientes. Em relação à conduta médica, o tratamento conservador ocorreu em maior predominância, em relação ao período de internação na UTIA foi superior a uma semana e com a maioria dos pacientes recebendo alta da UTIA.